Selected Artists

Alex Younger

“Abuse Patterns” explores the constant accumulation of small wounds for sexual violence survivors who attempt to navigate systems of accountability. The piece is a pattern repeat of text from official correspondence regarding sexual assault claims from Swarthmore College and the School of the Art Institute of Chicago, fake pleasantries attached to horrifying institutional communications. Woven with mixed materials that vary widely in yarn weight and texture, from thin mohair, to astra-glow lurex and chunky cotton, as the weights and surfaces of the materials change, the words visually warp, and shift, accumulating into an extended roll that suggests the unending nature of these interactions.
“Triggered” explores the physical manifestation of Post-Traumatic flashback triggers. For many survivors of sexual violence, one of the most common aftereffects is skin memory – the body recreating the physical sensation of abusive hands during times of stress. The pieces were made so that each body was roughly the size of mine, and each piece was numbered and named after one of my specific triggers. By playing with yarn density, I manipulated the weave structure to selectively break down, distorting the canvas of the skin. Woven with sewing thread the same shade as the yarn used to weave the body, the handprint registers as a slight disruption of the surface, representing the disturbance of the tactile memory of hands that are no longer there. Too thin to pack properly, the hand’s weave structure warps and blurs, disrupting the image but still maintaining the surface of the fabric.

“Abuse Patterns” explora a constante acumulação de pequenas feridas para os sobreviventes de violência sexual que tentam navegar em sistemas de responsabilização. A peça é um padrão de repetição de texto de correspondência oficial sobre alegações de agressão sexual do Swarthmore College e da School of the Art Institute of Chicago, amabilidades falsas associadas a comunicações institucionais de horror. Tecido com materiais diversos que variam amplamente no peso e na textura do fio, de mohair fino a lurex astra-glow e algodão grosso, conforme os pesos e as superfícies dos materiais mudam, as palavras distorcem-se visualmente e mudam também, acumulando-se num longo rolo e que sugere a natureza interminável dessas interações.
“Triggered” explora a manifestação física dos gatilhos das analepses pós-traumáticas. Para muitos sobreviventes de violência sexual, um dos efeitos colaterais mais comuns é a memória da pele – o corpo recria a sensação física de mãos abusivas em momentos de stresse. As peças foram feitas de forma a que cada corpo tivesse aproximadamente o tamanho do meu, e cada peça era numerada e nomeada de acordo com um dos meus gatilhos específicos. Ao jogar com a densidade do fio, manipulei a estrutura da trama para a quebrar seletivamente, distorcendo a tela da pele. Tecida com linha de costura da mesma tonalidade do fio utilizado para tecer o corpo, a impressão da mão regista-se como uma ligeira deturbação da superfície, representando a perturbação da memória tátil das mãos que já lá não estão. Demasiado fina para compactar adequadamente, a estrutura da trama da mão deforma e desfoca, perturbando a imagem, mas ainda mantendo a superfície do tecido.

Alex Younger

EUA / USA


b.1990 Oakland, California
Magna Cum Laude graduation from Swarthmore College in 2012 with an Honors Major in English Literature and a Course Major/Honors Minor in Studio Art. In 2018, she received her MFA in Fiber and Material Studies from the School of the Art Institute of Chicago. Lives in Grafton, NY, USA.


n.1990 Oakland, Califórnia
Licenciatura Magna Cum Laude pelo Swarthmore College em 2012 com Especialização em Literatura Inglesa e um Curso Especialização/Variante com distinção em Studio Art. Em 2018, Mestrado em Belas Artes em Estudos de Fibras e Materiais pela School of the Art Institute of Chicago. Vive em Grafton, NY, EUA.