Biennale Internationale du Lin de Portneuf

Michèle Lorrain

LUGARES DE MEMÓRIA – PEREGRINAÇÃO
LIEUX DE MÉMOIRE – PÉRÉGRINATION
É a ideia do caminho que vem primeiro. Então, torna-se um local de encontro imaginado.
Terei feito desvios e percorrido as dúvidas de uma residência “remota” para finalmente me dar conta de uma geografia itinerante.
Trago emprestado do mundo da infância o Tricotin – Brinquedo de Tricô Francês – que me permite retratar graficamente, de forma têxtil, o passeio de um amigo na Serra da Penha em Guimarães e os itinerários de artistas residentes na Contextile.
Procuro lonas (Tarpaulin) nas quais irei traçar as rotas. Encontro uma tenda de algodão que se tornará o meu lar nómada. Irá viajar para Portugal, em meu nome, trazendo um pouco da floresta que me rodeia. Também terei a oportunidade de trabalhar sobre uma tela que o meu pai remendou várias vezes, com as dimensões e as cores de um vasto território.
É assim que o meu projeto se vai delineando, mas o território sempre será maior do que os caminhos percorridos.
Gosto de trabalhar no estúdio, não gosto de não encontrar soluções.
Gosto de caminhar, fingir que procuro um tesouro. Não gosto de vento forte, ar muito frio, ladeiras longas para escalar. Mas gosto que os meus pulmões aguentem mais. Gosto de chegar ao topo, no planalto do Éden, na paisagem do Éden. Gosto de ver o rio ao longe, as ilhas, as pistas de esqui com neve e as montanhas na névoa. Não gosto quando as minhas meias raspam na sola das botas. Gosto quando o território cresce à medida que a neve derrete. Não gosto quando a neve derrete tão devagar.
Gosto de pensar que todos em quem penso estão bem. Tento pensar no máximo de pessoas possível.

Agradecimentos à Angelina; Magdalena; Marta, Nuno e Catarina; Mylène e Kira; Odile e Denis pelos caminhos percorridos.
Pelas lonas repletas de lembranças, agradeço a Jacques, Pierre e Louise.
Obrigado também a Dominique e Cláudia pelo precioso apoio.

PLACES OF MEMORY – PEREGRINATION
LIEUX DE MÉMOIRE – PÉRÉGRINATION
It’s the idea of the path that comes first. Then it becomes an imagined meeting place.
I will have taken detours and gone through the doubts of a “remote” residence to finally take the measure of a travelling geography.
I borrow from the world of childhood the Tricotin – French Knitting toy – which allows me to graphically retrace, in a textile way, the walk of a friend in the Mountain of Penha in Guimarães and the itineraries of artists in residency at Contextile.
I am looking for tarpaulins on which I will draw the routes. I find a cotton tent that will become my nomadic home. It will travel to Portugal, on my behalf, bringing there a bit of the forest surrounding me. I will also have the opportunity to work on a canvas that my father patched many times, with the dimensions and the colour of a vast territory.
That’s how my project will take shape, but the territory will always remain larger than the routes travelled.
I like working in the studio, I don’t like finding no solutions.
I like walking, pretending to look for treasure. I don’t like strong wind, too cold air, long slopes to climb. But I like that my lungs are able to take more. I like arriving at the top, on the Eden plateau, the Eden panorama. I like to see the river in the distance, the islands, the snowy ski slopes and the mountains in the mist. I don’t like it when my stockings are raking at the bottom of my boots. I like it when the territory gets bigger as the snow melts. I don’t like it when the snow melts so slowly.
I like to think that everyone I think of is okay. I try to think of as many people as possible.
Thanks to Angelina; Magdalena; Marta, Nuno and Catarina; Mylène and Kira; Odile and Denis for the paths taken.
For the tarps filled with memories, I thank Jacques, Pierre and Louise.
Thanks also to Dominique and Cláudia for their precious support.

Michèle Lorrain

Canada/Canadá


n.1960, Montreal, Canadá. Possui Licenciatura pela Université Laval, Québec, Canadá e Mestrado em Artes Visuais pela UQÀM, Montreal, Canadá. Vive no Quebec.


b.1960, Montréal, Canada. Bachelor degree by the Université Laval, Québec, Canada and master’s degree in Visual Arts by the UQÀM, Montréal, Canada. Lives in Québec.